Premiação do Melhor Produtor do Algodão – Edição 2017

 Como é tradição a nível do sector agrário, realizou-se no dia 25 de Outubro do ano em curso a cerimónia de Lançamento da Campanha Agrária 2017/18 na província de Maputo, distrito de Moamba, a qual foi presidida por Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da Republica. No evento foram premiados os actores que melhor se destacaram na campanha 2016/17 nas categorias Melhor Produtor Nacional (1º, 2º e 3º), Melhor Extensionista Nacional (1º, 2º e 3º), Melhor Investigador, Melhor Produtora Mulher, Melhor Produtor Jovem, Melhor Avicultor, Melhor Criador de Gado Bovino (Novo), Melhor Produtor de Algodão, Melhor Produtor de Cajú, Melhor Reportagem Radiofónica, Melhor Reportagem Escrita, Melhor Reportagem Televisiva.

 

O Melhor Produtor do Algodão Edição 2017 é o Sr. José Cardoso Camilo, de 42 anos, residente no povoado de Mapupulo Sede, Posto Administrativo de Mapupulo, Distrito de Montuepez. O produtor cultiva algodão a 12 anos. O Sr. José Cardoso Camilo Foi distinguido pela sua idoneidade e por cumprir com as normas técnicas de produção do algodão, que lhe permiti obter rendimentos de 1900 Kg/ha superando a media nacional de 400 Kg/ha.

 

O Melhor Produtor recebeu como prémio um cheque de 50.000 Mt, a Participação na Reunião Técnica Anual do Algodão – 2018 e um Kit de insumos e operações culturais para a produção de 50 ha de algodão.

Actores do Subsector do algodoeiro discutem o preço indicativo do algodão para próxima Campanha 2017/18

 

  O Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar (MASA), através do Instituto do Algodão de Moçambique (IAM), realizou no dia 13 de Outubro corrente, na cidade de Chimoio, Província de Manica, a Reunião de Discussão do Preço Indicativo do Algodão caroço a vigorar na campanha 2017/18.

 O evento contou com a participação dos  representantes do Fórum Nacional dos Produtores do Algodão (FONPA), a Associação Algodoeira de Moçambique (AAM), os Directores Províncias de Agricultura e representantes dos Serviços Distritais das Actividades Económicas, nomeadamente do Niassa, de Cabo Delgado, de Nampula, de Sofala, de Tete e de Manica, que são os locais onde há maior volume de produção do algodão, respresentantes da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Banco BCI, EMOSE, empresas Provedoras de insumos de produção do algodão e serviços e técnicos do IAM à nível central e Delegações.

Além do preço indicativo que é um factor que influencia na mobilização e adesão em massa dos produtores desta cultura de rendimento, este evento constitui base para a discussão do preço mínimo em Abril de 2018.

O evento também fez o balanço anual do subsector algodoeiro no que refere aos constrangimento da campanha de 2016/17 ora preste a findar e prespectivar a Campanha 2017/18, estabelecer metas e identificar os desafios.

 

Técnicos do IAM treinados em matérias de tratamento de semente

 

 

Técnicos do IAM afectos ao Centro Regional de Transferência de Tecnologias do Algodão (CRETTA) beneficiaram – se nos dias 25 e 26 de Setembro de um treinamento em matérias de deslintamento químico e tratamento manual de semente do algodão.

O treinamento decorreu no distrito de Guro, nas Instalações da Delegação do IAM em Manica e foi facilitado pelos técnicos brasileiros no âmbito do Projecto de Fortalecimento do Sector Algodoeiro nas Bacias do Baixo Shire e Zambeze abrangendo Moçambique e Malawi, que o IAM está a implementar desde 2015.

O treinamento visava dotar os técnicos participantes em capacidade do processamento de sementes, atinente a deslintamento químico com uso de ácido sulfúrico e tratamento manual em seguimento ao processo de beneficiamento da semente produzida no âmbito do projecto. Estiveram presente no treinamento representantes da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), Associação Mineira dos Produtores do Algodão (AMIPA), da Embaixada do Brasil em Moçambique, Coordenador Técnico Local do Projecto, Gestor do CRETTA, técnicos do IAM, SDAE (Guro) e técnicos sazonais.

Missão técnica para a consolidação do sistema de semente do algodão em Moçambique

O IAM tem vindo a implementar desde 2015, o Projecto Regional do Fortalecimento do Sector Algodoeiro nas Bacias do Baixo Shire e Zambeze, nas províncias de Manica e Tete, o qual tem beneficiado Moçambique e Malawi. O projecto conta com financiamento da Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e assistência técnica da Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias (EMBRAPA).

Dentre os objectivos que o projecto pretende alcançar, está o fortalecimento do sistema de sementes do algodão em Moçambique. Para a concretização deste objectivo, foi criado o Centro Regional de Transferência de Tecnologias do Algodão (CRETTA), onde foi instalada uma Unidade de Produção de Semente (UPS), no distrito de Guro, província de Manica.

Com vista a consolidar o sistema de semente em Moçambique, o IAM, recebeu no dia 08 de Agosto corrente, uma delegação da Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e da Embrapa a fim de discutirem com os principais intervenientes da cadeia de semente as seguintes matérias:

  1. Formalização da localização em definitivo das instalações do CRETTA, e a concessão das terras a serem disponibilizadas para o Projeto para a produção de sementes e para a validação de tecnologias.
  1. Criação (institucionalização) de uma Unidade de Gestão da Produção e do Comércio de Sementes independente, com mandato para promover o planeamento e a coordenação da produção e do comércio nacional de sementes certificadas de algodão.
  2. Envolvimento formal dos serviços de inspeção e de assistência técnica na produção de sementes básicas e certificadas de algodão na região do Projeto.
  3. Linhas de política para envolvimento do sector privado na produção e no comércio de sementes de algodão, inclusive linhas de financiamento específicas.

Moçambique participa no 1º. Steering Committee (sc) em Lusaka, Zâmbia

Decorreu entre os dias 11 a 12 de Julho o primeiro Steering Committee (SC) em Lusaka, Zâmbia

 

MoZaZiMa foi criada em julho de 2008. Nesta altura constatou-se que a produção dos países de MoZaZiMa correspondia a 16% da produção da Africa e 2,5% da Exportação Mundial e estes eram afectados pela baixa produtividade, os desafios de aumento de produção e produtividade similares.

O encontro tinha objectivo de revogar a designação MoZaZiMa (iniciativa de Cooperação regional-Moçambique, Zâmbia, Zimbabwe e Malawi) em que a sua criação previa apenas 4 países convista a promoção da produção e exportação do algodão. Foi também objectivo do encontro a apreciação do ponto de situação do subsector algodoeiro em cada pais, proposta e aprovação do logo de ESACO e registo de acordo com a legislação Zambiana, apresentação e adpoção do memorando de accão da ESACO e criação de subcomités de áreas relevantes.


 Moçambique foi eleito para liderar a área de investigação e desenvolvimento do algodão no âmbito desta iniciativa e Malawi assume a presidência desta iniciativa
A visão desta iniciativa era de tornar o subsector algodoeiro dos países de MoZaZiMa competitivo, prospero, equitativo e sustentável.
Perante o actual cenário onde a iniciativa contempla mais países nomeadamente os de MoZaZiMa e outros como, Quénia, Tanzânia, Uganda, Etiópia remetendo a necessidade de mudança de Nome o que foi feito neste 1o SC de Lusaka, passando a designar se por Eastern and Southern African Cotton organization (ESACO) -Organização do algodão do leste e do Sul da Africa.


Os principais objectivos desta iniciativa visam melhorar a cooperação regional para aumento da produção e produtividade, melhoria da qualidade de algodão assim para a promoção de cadeia de valor de algodão
Neste momento todos países desta organização estão em processo de comercialização do algodão caroco com preços mínimos por quilo que variam ao equivalente a 25,00 a 30,00 Mts e moçambique com 23,00 Mts/kg.

 

 

Page 1 of 2

Contactos

Av. Eduardo Mondlane, 2221 - Maputo   +258-21-431015/6   This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Sobre Nos

O Instituto do Algodão de Moçambique (IAM) é uma instituição pública tutelada pelo Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar e criada pelo Decreto n° 7/91, de 23 de Abril, cujas atribuições e competências constam do Decreto n° 36/2015, de 31 de Dezembro.